E A NEGRITUDE SOLIDÁRIA?

O deputado federal Hélio Negão Lopes (PSL-RJ), amigo muito próximo do presidente Jair Bolsonaro, foi envolvido de forma suspeita num inquérito da PF do Rio de Janeiro. Dizem que tal inclusão teria sido uma tentativa de criar um clima de desconforto entre o governo federal e a Superintendência da PF/RJ.

O inquérito relacionava Hélio Negão Lopes num crime previdenciário o qual nada tem a ver com o ocorrido. Um homem chamado Hélio Negão, já falecido, era o verdadeiro envolvido no caso. O ministro Sérgio Moro mandou investigar os motivos da polêmica no âmbito administrativo e criminal.

Além da crise criada pela tentativa de atingir o deputado Hélio Negão, o que surpreendeu foi o comportamento dos vários movimentos em defesa dos afrodescendentes. O parlamentar não recebeu nenhuma solidariedade deles. Dessa vez o ativismo ficou em silêncio, não valendo a cor da pele do parlamentar, mas a “cor” ideológica do amigo do presidente.