VENEZUELA, TRISTE PIADA PRONTA

O que os venezuelanos fizeram para sofrer tanto?

Talvez a resposta esteja na confiança que depositaram em Hugo Chavez e na continuidade em Nicolás Maduro, um ex-caminhoneiro que acreditou que um país como a Venezuela poderia ser dirigido como ele manobrava um bitrem.

A mais recente demonstração que o país faliu é a decisão de racionar gasolina para os venezuelanos. Logo a Venezuela que tem as maiores reservas de petróleo do planeta e que os combustíveis eram oferecidos a preço de banana. E explico por que usei a fruta com referência. Faltar gasolina na Venezuela é como faltar bananas no Brasil. Já imaginaram racionamento de bananas no nosso país?

Seria uma piada pronta, como se referiu a senhora Maria Lopez à agência France Press. “É uma piada”, disse dona Maria, depois de passar seis horas na fila de um posto de gasolina, na cidade de Barquisimeto, capital da província de Lara, sem conseguir completar o tanque de combustível de seu automóvel.

A parte triste da piada da falta de gasolina no país com petróleo abundante no seu mar territorial foi a morte de Humberto Trejo, 60 anos, infartado depois de passar quatro dias numa fila, em Mérida (capital da província com o mesmo nome). Trejo se aborreceu ao ver pessoas furando a fila quando subornavam com dólares os militares que controlavam o fornecimento de gasolina e teve uma parada cardíaca.

Mas a piada pronta não para aí.

Os venezuelanos moradores das áreas de fronteira com o Brasil e a Colômbia estão contrabandeando gasolina para o seu consumo. Os moradores de Táchira atravessam a fronteira fechada com a Colômbia e vão buscar gasolina em Cúcuta, algo inimaginável alguns anos atrás. O mesmo ocorre em Pacaraima, Roraima. O fluxo de compradores de gasolina inverteu-se. Agora são os postos brasileiros que abastecem os venezuelanos residentes em Santa Elena de Uairém, a 15 km de Pacaraima.

Eles abastecem a R$ 4,95 (gasolina) ou a R$ 4,25 (diesel), enchem os tanques e do lado venezuelano vendem o combustível a até R$ 10 o litro. Quando sobrava gasolina venezuelana, os brasileiros pagavam R$ 1,50 o litro, provavelmente o mais barato do mundo.

Chavez e Maduro, além de se tornarem figuras ridículas, destruíram a Venezuela confirmando o que Margareth Tatcher dizia sobre o socialismo – “o socialismo dura até acabar o dinheiro do outros”. O socialismo bolivariano já ganhou gargalhadas quando Maduro dizia que conversava com o defunto Chavez através de um passarinho quando estava orando.

A comunicação se dava através dos trinados da pequena ave que era o espírito de Chavez.

Maduro respondia também na mesma frequência.

Venezuela sem gasolina e com o seu presidente imitando um passarinho para conversar com o seu guru. É ou não uma triste piada pronta num país que já foi referência democrática na América do Sul?