FUNDOS DE PENSÃO

Desde que os fundos de pensão mais rentáveis do Brasil foram aparelhados por sindicalistas gestores eles passaram a fazer investimentos (uma prática usual de qualquer fundo de pensão para manter rentabilidade dos recursos auferidos de seus associados) equivocados e de cunho político.

Os investimentos direcionados politicamente causaram um rombo de muitos bilhões para os fundos do Banco do Brasil (Previ), Caixa Federal (Funcef), Correios (Postalis) e Petrobrás (Petros). Uma CPI foi criada na Câmara dos Deputados em 12 de agosto de 2015. Os funcionários destes fundos estão descontando de seus salários uma taxa extra para aplainar os prejuízos.

A CPI apurou prejuízo de 113,4 bilhões de reais, com a desvalorização de ativos dos quatro fundos de pensão no período de 2011 a 2015. De acordo com o relatório, a rentabilidade do ativo da Previ nesse período ficou abaixo da meta mínima em R$ 68,9 bilhões. Na Petros e na Funcef, o prejuízo para os ativos foi de 22,3 bilhões de reais e 18,1 bilhões de reais, respectivamente. Já no Postalis, a baixa foi de 4,1 bilhões de reais.